Petecão vota pela aprovação da PEC dos Soldados da Borracha, mas afirma que a vitória poderia ter sido maior


Brasília - Mesmo reconhecendo a importância da aprovação da PEC 61 de 2013, aprovada no Senado Federal, nesta quarta-feira (23/04), o senador Sérgio Petecão (PSD) afirmou que os soldados da borracha não alcançaram a merecida justiça com o encaminhamento do texto à promulgação.

 

Petecão disse que os soldados esperavam um reconhecimento maior pela contribuição que eles deram ao país.

e acordo com o senador, o ideal seria a aprovação do texto construído inicialmente pela Câmara dos Deputados, com a previsão do pagamento mensal de sete salários mínimos, juntamente à indenização de R$ 25 mil aos soldados e dependentes.

Parece que os servidores do estado não estão muito contentes com a " moratória" de 120 dias ofertada pelo banco do Brasil, com o aval do governo do Acre.

A propaganda oficial insinua que os pagamentos serão, pura e simplesmente adiados, sem quaisquer custos.

Como já escrevi em outro post, sobre este período de carência incidirão juros, na maioria dos casos, mais elevados que àqueles contratados originalmente e se o servidor não tiver "margem" a renegociação lhe é negada.

Na verdade, essa moratória é um "achado" para o banco, que ganhar mais juros, e um calvário para os servidores que permanecerão por mais tempo na ciranda da agiotagem oficial.

O promotor de Justiça Adenilson de Souza tem dado vida à Promotoria de Defesa do Patrimônio Público, responsável pela apuração de denúncias de rapina e desvios de recursos públicos.

A disposição e o zelo do promotor podem ser aferidos pela "exumação" de representações que, sabe-se lá os motivos, foram sepultadas com as terras de promotores da impunidade.

Na imagem, a portaria através da qual o promotor Adenilson de Souza instaurou procedimento para aprofundar a investigação de uma denúncia formulada pelo senhor Antônio Carlos de Araújo Pereira, presidente do Sindicato das Empresas de Ares Condicionados do Acre, contra os gestores da Secretária de Saúde, gestão de Binho Marques, na contrataçao da empresa executora do sistema de climatização do Hospital da Criança.

Vale salientar que a denúncia é de 2008 e o seu engavetamento por 6 longos anos é meio caminho andado para a prescrição, a prima legítima da impunidade.

As coligações proporcionais de PT/PEN/PROS e PSDB/ PMDB / PP se transformarão em verdadeiros " paredões".


No grupo PT/PEN/PROS, disputarão reeleição, com estruturas de campanhas mlionárias, Geraldo Pereira, Ney Amorim, Jammil Asfury, Elson Santiago, Walter Prado, Denilson Segóvia e Astério Moreira. Pela primeira vez nas urnas estarão os ex-secretários Daniel " Cotoco" Zen, o candidato preferencial de Tião Viana, José Carlos Reis e, pela segunda vez, Louro Marques.


Diante da desigualdade estrutural, muitos pré-candidatos com votos, mas lisos, já começaram pedir arrego para não servirem apenas de bucha.

Como esta coligação elegerá, no máximo, 4 deputados, isso significa que 6 dos 10 serão passageiros da balsa.

Do lado do  PP/PMDB/PSDB/PTdoB, disputarão com a estrutura do mandato atual, Eliane Sinhasique, Antonia Sales, Chagas Romão, Toinha Vieira, Wesley Rocha, Gilberto Diniz e, por fora, mas não menos estruturado, Nicolau Junior, cunhado do deputado Gladson Cameli e sobrinho do milionário empresário cruzeirense Abraão Cândido da Silva.


Como esta coligação elegerá, no máximo 3, isso significa que 4 dos 7 irão para o paredão.


Mas como ninguém nasce colado em mandato, embarcar na balsa é uma situação natural da democracia.

Os trabalhadores que atuaram na BR-364 com bravura, na perigosa travessia de caminhões durante a cheia Rio Madeira, receberam diária no valor de R$ 214,20.

Por sua vez, a secretária adjunta de Comunicação, Andrea Zílio, recebeu diária de R$ 604,00 apenas para acompanhar a reabertura da estrada. 

Aí o pessoal do governo ficava dizendo nas redes sociais que estava trabalhando muito, que estava dando o sangue, lembram? 

Na verdade estavam, claro, se dando bem sendo muito bem pagos para isso.

A secretária costumava dizer que estava esgotada. Mas esquecia de dizer que estava sendo bem remunerada, ao contrário da plebe. 

“Ô mundo tão desigual, tudo é tão desigual”, escreveu o poeta.

Afinal, qual a necessidade da presença remunerada de Andrea Zillo na liberação de uma estrada?

Confira nas imagens.

 

Governo e Banco do Brasil anunciam que servidores do Acre poderão suspender o pagamento dos CDCs por 4 meses.

Mas, muita atenção: como diz o ditado popular " quando a oferta é grande até o santo desconfia", é bom saber que o banco cobrará juros sobre esses meses de moratória.

E mais: como os juros atuais estão maiores que os juros contratados nos empréstimos, o banco ganhará um pouquinho mais.

Moral da história: essa moratória é o mesmo que falar de corda na casa de enforcados.

Endividado e com as receitas próprias empacadas pela fragilidade econômica do pais, principalmente do Acre, o eleitorado deve ficar de olhos bem abertos para o baú de promessas que os candidatos ao governo abrirão neste período eleitoral.

De certa forma, o melhor compromisso será o da sinceridade no enfrentamento dos problemas e na consequente resulução deles.

Àqueles que prometerem, num toque de mágica, o paraíso equatorial são fortíssimos a promotores da decepção.

O desafio da oposição é maior do que se possa imaginar.

Em 1999, o PT assumiu o governo com o ambiente econômico extremamente favorável, o consumo das famílias em alta e entregará o governo com pesadas dívidas e o estado em petição de miséria.

Hoje o cenário é adverso.

Os oposicionistas tem o dever de dizer com clareza para o povo acreano que a situação atual é grave, sob pena de arcarem com responsabilidades que não são suas.

Caso uma administração da atual oposição fracasse, será mais 20 anos de peia no lombo.

Portando, todo cuidado com promessas e venda de facilidades é pouco.

Se durante a " Operação de Guerra" para evitar o desabastecimento de produtos nas prateleiras, o governo, com nossos impostos, bancou o frete áereo de Porto Velho para Rio Branco, o normal seria que os preço dessas mercadorias tivesse diminuido ou, na pior das hipóteses, permanecido inalterados.

Mas não foi o que se viu.

A verdade é que enquanto uns nascem pra sofrer, outros nascem pra sorrir.

Em momentos de crise a maioria sempre financia os ganhos da minoria.

Na imagem um pagamento de um fretamento pago pelo governo, ou seja, por nós.


Finalmente os pagamentos da Secretaria de Comunicação foram disponibilizados novamente no Portal. 

Só assim sabemos que a Companhia de Selva, dona do contrato mais antigo da amazonia legal faturou, em março deste ano, R$- 1.163.403,11.

Isso representa quase 40 mil reais por dia em gastos com propaganda.

O povo acreano pode ter duas certezas e uma dúvida com relação ao astronômico endividamento do estado. 

A primeira certeza é que os empréstimos foram feitos.

A segunda é que estes terão de ser pagos, sob pena de confisco das receitas oferecidas como garantias.

A dúvida é saber onde essa dinheirama toda foi parar e se os resultados dos investimentos produziram ou produzirão as receitas necessárias para satisfazer as certezas.

Creio que a oposição não deve questionar apenas o endividamento em si, pois todos os estados da federaçao contraem dívidas.

O foco deve ser a dúvida: onde enfiaram o dinheiro. Quais os resultados positivos sobre nossas atividades econômicas e sociais.

Para ilustrar, apenas no início de abril deste ano pagamos mais de 20 milhões de amortizações e juros.