Nessa vida eu já vi quase tudo na política, mas, sinceramente,  o episódio  que mais me deixou “ bestificado “  foi a mobilização de jovens petistas pedindo ao prefeito o aumento da passagem de ônibus.

Se eles ou seus pais trafegam  em portentosos carros importados, em sua maioria, adquiridos nas nascentes das mamatas petistas, então que não afrontassem àqueles que suam a camisa para sobreviver honestamente e sabem o valor das moedas guardadas.

Se para estes  jovens o papel de atores do papel ridículo não os incomoda , de igual forma  o prefeito deveria evitar esse tipos de bajulação gosmenta, vez não cabe na cabeça de nenhum sujeito normal que o “movimento” não tenha sido financiado pelos padrõess e métodos petistas de alienação.

Os vereadores que sustentaram a pantomina confiam por demais na capacidade de esquecimento do povo.

Se conselho  fosse bom ninguém  dava,  vendia.

Mas , em todo caso, aqui da arquibancada,  sugiro ao deputado  Rocha ( PSDB) que repense sua postura  bélica-política diante de seus aliados locais.

Em 2014, era de conhecimento  geral  que  o PSD e o PMDB compunham a aliança nacional com o PT, ainda que os diretórios estaduais desses partidos fossem dissidentes, apoiassem ostensivamente a candidatura de Aécio Neves e estivessem na mesma legenda que garantiu os votos necessários para eleger Rocha deputado federal.

Rocha deve saber que a aliança nacional do PSD com o PT não depende da vontade do senador Sérgio Petecão, que, sistematicamente,   vota com a oposição no Congresso Nacional.

De igual forma,  a aliança nacional do PMDB com o PT não se submete à vontade exclusiva  dos deputados Flaviano Melo, Jéssica Sales e Eliane Sinhasique.

Antes de arvorar-se o “único e solitário” oposicionista, Rocha não deve olvidar que o próprio PSDB já foi unha e carne com o PT local, detinha metade dos cargos da administração  além  da vice-governadoria,  e foi exatamente nesse  período que o ICMS  da conta de luz, dos combustíveis e das comunicações foi brutalmente majorado com as bençãos , inclusive, de deputados tucanos.

Antes de proclamar-se o justiceiro implacável de petistas, Rocha deveria lembrar-se  que existem pessoas no Acre que enfrentaram o PT  quando isto era considerado quase um pecado mortal,  sem esquecer que atualmente,  diante da desmoralização dos companheiros, não é preciso nenhum sacrifício para enfrentá-los. Plagiando  dito popular “ é mais fácil que empurrar bêbado ladeira  à baixo.

Antes de cutucar integrantes da oposição, e querer desclassificá-los por não  participarem do ato que ele, sem consultar ninguém,  fez para “recepcionar” o ex-presidente Lula, Rocha deveria olhar para o umbigo e refletir por quais motivos membros influentes e parlamentares do seu ninho também não deram as caras no local.

Salvo se sua intenção for a de caminhar sozinho, ainda há tempo para o deputado Rocha compreender que sua tática do   “ou vai ou racha” é coisa de ditador petista.

Se conselho  fosse bom ninguém  dava,  vendia.

Mas , em todo caso, aqui da arquibancada,  sugiro ao deputado  Rocha ( PSDB) que repense sua postura  bélica-política diante de seus aliados locais.

Em 2014, quando ele  elegeu  deputado federal, era de conhecimento  geral  que  o PSD e o PMDB compunham a aliança nacional com o PT, ainda que os diretórios estaduais desses partidos fossem dissidentes e apoiassem ostensivamente a candidatura de Aécio Neves.

Rocha deve saber que a aliança nacional do PSD com o PT não depende da vontade do senador Sérgio Petecão, que, sistematicamente,   vota com a oposição no Congresso Nacional.

De igual forma,  a aliança nacional do PMDB com o PT não se submete à vontade exclusiva  dos deputados Flaviano Melo, Jéssica Sales e Eliane Sinhasique.

Antes de arvorar-se o “único e solitário” oposicionista, Rocha não deve olvidar que o próprio PSDB já foi unha e carne com o PT local, detinha metade dos cargos da administração  além  da vice-governadoria,  e foi exatamente nesse  período que o ICMS  da conta de luz, dos combustíveis e das comunicações foi brutalmente majorado com as bençãos , inclusive, de deputados tucanos.

Antes de proclamar-se o justiceiro implacável de petistas, Rocha deveria lembrar-se  que existem pessoas no Acre que enfrentaram o PT  quando isto era considerado quase um pecado mortal,  sem esquecer que atualmente,  diante da desmoralização dos companheiros, não é preciso nenhum sacrifício para enfrentá-los. Plagiando  dito popular “ é mais fácil que empurrar bêbado ladeira  à baixo.

Antes de cutucar integrantes da oposição, e querer desclassificá-los por não  participarem do ato que ele, sem consultar ninguém,  fez para “recepcionar” o ex-presidente Lula, Rocha deveria olhar para o umbigo e refletir por quais motivos membros influentes e parlamentares do seu ninho também não deram as caras no local.

Salvo se sua intenção for a de caminhar sozinho, ainda há tempo para o deputado Rocha compreender que sua tática do   “ou vai ou racha” é coisa de ditador petista.

Petecão destina R$ 500 mil ao Hospital das Clínicas de Rio Branco

O recurso é destinado à aquisição de equipamento moderno para o diagnóstico de hepatites

O senador Sérgio Petecão (PSD)  anunciou, nessa terça-feira (20), a destinação de emenda no valor de R$ 500 mil em benefício da Secretaria Estadual de Saúde do Acre (Sesacre). O recurso foi apresentado à Comissão de Orçamento do Congresso Nacional e vai integrar o Orçamento da União para o ano de 2016.


A emenda de Sérgio Petecão vai garantir recurso à Sesacre para a aquisição de um equipamento de última geração chamado FibroScan. Ele permite diagnosticar pacientes portadores de hepatites através da fibrose do fígado de maneira simples e não invasiva, sendo uma opção à tradicional biópsia. O equipamento é semelhante a um transdutor de ultrassonografia, e mede ondas emitidas entre dois pontos do órgão; de acordo com intensidade verificada, torna-se possível avaliar o grau de fibrose hepática.


Sérgio Petecão alertou que as hepatites virais são consideradas um problema de saúde pública e necessitam de novas medidas para a prevenção e diagnóstico dos portadores. “A doença, que é uma inflamação do fígado, pode ser causada por vírus, uso de medicamentos, álcool e outras drogas. Recentemente, o Ministério da Saúde incluiu o FibroScan entre os procedimentos do SUS, abrindo uma possibilidade de conseguirmos adquiri o equipamento”, disse o senador.

De acordo um levantamento da Associação dos Portadores de Hepatites do Estado do Acre (APHAC), há aproximadamente sete mil pessoas com hepatites C, B e D sendo acompanhadas pelo Serviço de Assistência de Enfermagem do Hospital das Clínicas de Rio Branco. Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) apontam que um terço da população mundial foi infectado pelos vírus das hepatites. 


Gabinete do Senador Sérgio Petecão
Partido Social Democrático - PSD

Atentados têm ligação com o narcotráfico, mas Evo é recebido no Acre com tapete vermelho, diz senador

"Não vejo ninguém do governo brasileiro com um discurso incisivo para combater as drogas", disse PEtecão

REDAÇÃO CONTILNET

09/10/2015 14:58:39

Comissão Mista da Medida Provisória (CMMPV) sobre MP 671/2015 que cria o programa de modernização da gestão e de responsabilidade fiscal do futebol brasileiro realiza reunião para apreciação do relatório. Mesa (E/D): relator da CMMPV 671/2015 , deputado Otávio Leite (PSDB-RJ); presidente da CMMPV 671/2015, senador Sérgio Petecão (PSD-AC) Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado

O senador Sérgio Petecão (PSD), durante audiência pública na Comissão de Relações Exteriores (CRE), nesta quinta-feira (8), criticou o governo brasileiro por não ter um posicionamento duro com a Bolívia na questão da produção de drogas. Segundo ele, grande parte dos entorpecentes e armamento ilegal que inundam o país chegam pela Bolívia, fator que afeta drasticamente a segurança da população.

— Não precisa ser especialista para saber que a maior parte da droga que entra no Brasil vem da Bolívia. O governo brasileiro precisa de um posicionamento mais duro com o país vizinho. Ou fazemos uma política de endurecimento, ou as drogas e as armas vão continuar inundando o país, de modo a acabar com a nossa juventude — afirmou Sérgio Petecão.

O senador disse ainda que o Brasil está pagando um preço muito caro pela falta de uma política internacional mais eficiente. Segundo ele, o presidente da Bolívia, Evo Morales, possui pleno conhecimento da produção de drogas, e, mesmo assim, mantém uma política de descaso com o Brasil.

— Não vejo ninguém do governo brasileiro com um discurso incisivo para combater as drogas. As fronteiras do Acre se tornam num corredor da morte. Por lá, entram toneladas de entorpecentes e armas ilegais. Ainda assim, o presidente boliviano é tratado com tapete vermelho pelo governo do Acre. Precisamos endurecer o diálogo com a Bolívia — disse.

Sérgio Petecão destacou ainda a crescente ação de criminosos no Acre que tiram a tranquilidade da população. Segundo ele, os casos de violência refletem o descaso que se tem com as fronteiras. (Assessoria)

Tião Viana apoia ação de policial que desencadeou atentados e diz que Estado não se intimidará

"O crime não pode ser alimentado por gestos de fraqueza das autoridades”, disse o governador


O governador do Acre, Tião Viana (PT), afirmou que a atitude do policial militar que matou dois assaltantes durante assalto a uma clínica de Rio Branco, na segunda-feira (5), foi correta. A morte dos dois suspeitos desencadeou uma série de atentados na cidade de Rio Branco e interior do estado.

Segundo Viana, o policial agiu no “estrito cumprimento do dever profissional em defesa da vida”, posto que um dos assaltantes teria colocado uma arma de cabeça da mulher do militar.

Viana destacou, ainda, que o Estado não irá se intimidar frente aos atentados, que revelaram a existência de um poder paralelo e que colocou em cheque o estado democrático de direito.

“Todas as instituições estão envolvidas. Os Ministérios Públicos Estadual e Federal, Polícia Rodoviária Federal, Força Nacional, Polícia Federal, Exército e outras instituições mantenedoras da segurança. O crime não pode ser alimentado por gestos de fraqueza das autoridades”, disse o governador.

Fonte: contilnet


 

A deputada estadual Eliane Sinhasique (PMDB) fez um relato na manhã desta quinta-feira (8) do que ela classifica como clima de medo que dominou a população de Rio Branco nos últimos dois dias. A oposicionista destaca que até o Poder Legislativo estaria sendo vítima de ameaça de bomba.

Ela criticou o governo do Acre pela devolução de recursos para investimentos na segurança pública. Sinhasique destaca que o Executivo teria devolvido R$ 5 milhões porque não elaborou projeto para utilizar os recursos destinados pelo governo federal à administração petista do Estado do Acre.

A parlamentar afirma que o governo não fez investimentos em bloqueadores de celulares para o complexo prisional da capital. A peemedebista denúncia que “o Guardião (aparelho para escutas telefônicas) só serve para escutar conversas de adversários, não serve para escutar as conversas dos bandidos”.

Procurado por ac24horas, o secretário de segurança , Emilson Farias, destacou o posicionamento da deputada de oposição como “no mínimo irresponsável”.  “Nós estamos vivendo um momento de dificuldades que todos estão emanados para o bem da população. Cada ônibus que  pega fogo é um prejuízo para a população. Acabamos de transferir 15 pessoas do Estado do Acre para as cidades de Mossoró (RN) e Campo Grande (MS). Esse tipo de analise é fundamentada numa questão estritamente técnica. É um grande absurdo você dizer que não foi usada uma ferramenta como esta [O Guardião] para um momento como esse”, frisa o secretário.

O gestor da Segurança enfatizou ainda que o momento delicado pelo qual o Acre vem passando não deve ser explorado politicamente. “Não é hora de cor partidária. A população não aceita e não admite mais isso. Num momento como esse nós devemos ser absolutamente técnicos e responsáveis e não podemos tirar proveito politico”, dispara Farias.

“Eu desafio a qualquer um, já que o guardião é auditável , inclusive já passou por auditoria do Tribunal de Justiça e do Ministério Público , a fazer uma auditoria  se lá já houve algum momento que o Guardião tenha sido usado para outro fim se não for por fins técnicos policial , técnico judicial  para desarticular quadrilhas como essas que estão agindo no Acre”, diz o secretário afirmando que a declaração da deputado “é irresponsável , politiqueira  e não ajuda num momento como esse”.

Criticando duramente Sinhasique, Farias disse que a Assembleia Legislativa do Acre “é muito maior do que isso”.  “A Aleac  ontem deu uma resposta de respeito  e atenção ao povo acreano  e aprovou em um tempo muito rápido um projeto de lei que coloca militares da reserva nas ruas.  Devemos deixar de fazer politica pequena e partidária”.

Fonte: ac24horas.com

'Tudo tem jeito de superar', diz Dilma após derrota no Congresso

JOÃO PEDRO PITOMBO
ENVIADO ESPECIAL A BARREIRAS (BA)

Horas depois de ver o Congresso Nacional adiar pelo segundo dia seguido a votação dos vetos em projetos que elevam gastos do governo, a presidente Dilma Rousseff (PT) fez um discurso otimista nesta quarta-feira (7) em Barreiras (854 km de Salvador).

Falando para uma plateia de beneficiários do programa Minha Casa, Minha Vida, a presidente evitou falar das dificuldades que enfrenta no Congresso Nacional e no TCU (Tribunal de Contas da União).

Pela segunda vez no dia, afirmou que os interesses do país devem ser colocados "acima de qualquer barreira e de qualquer tipo de interesse de pessoa ou partidário".

"Somos mais forte que qualquer problema momentâneo. Juntos, somos imbatíveis", disse a presidente para a plateia, destacando que o seu governo "enfrenta com firmeza" adversidades como a crise econômica.

"Temos que ter coragem e determinação para enfrentar o problema. A gente não pode se atemorizar nunca diante da dificuldade. Tudo tem jeito de superar", disse a presidente.

Admitindo a situação de crise econômica e falta de recursos do governo federal, a presidente afirmou que cortou "gastos desnecessários" para manter programas sociais.

Dentre estes gastos, citou a redução do próprio salário, sendo aplaudida pelo público formado por prefeitos da região e beneficiários do Minha Casa, Minha Vida.

"Se a moda pega, viu, governadores e prefeitos, é bom saber que cortamos 10% dos salários da presidente, do vice e dos ministros. Cortamos vários gastos e preservamos os programas sociais", disse.

LAVA JATO

Dilma veio a Bahia para entregar 2.781 imóveis do programa Minha Casa, Minha Vida inaugurados simultaneamente em quatro cidades do Estado: Barreiras, Dias D'Ávila, Irecê e Feira de Santana.

As ministras Teresa Campelo (Desenvolvimento Social) e Nilma Lino (Cidadania) e a presidente da Caixa Econômica, Miriam Belchior, representaram a presidente nas demais cidades.

A presidente foi recebida pelo governador em exercício da Bahia, João Leão (PP), investigado na Operação Lava Jato e que em março deste ano disse que estava "cagando e andando" para as investigações.

Em discurso, Leão pediu empenho da presidente para executar o projeto da ponte Salvador-Itaparica, cujo custo está orçado em R$ 7 bilhões.

"Peço que acreditem na presidente Dilma", afirmou o vice-governador.

Esta foi a primeira visita de um presidente da República a Barreiras desde a vinda do presidente Eurico Gaspar Dutra nos anos 1940.

Veja outros textos para visitantes comentaremCOMPARTILHECompartilhe no Twitter