De besta, até os petistas mais novo só tem o "andado".
Diante de oportunidades fáceis a primeira providência deles é atender primeiramente os seus.
No caso especifico, com a dispensa de licitação amparada pela situação de emergência decretada em decorrência da inesperada alagação que inundou cerca de 70% da cidade de Tarauacá em novembro, o prefeito contratou a empresa RI Torrefação, de seu tio Raimundo Damasceno, para fazer o atendimento das famílias atingidas.
A RI Torrefação também alugou máquinas e veículos nas mesmas condições para atender as necessidades da defesa civil municipal.


Depois desse  trem da alegria, em cujos vagões comportam centenas de cargos para atender compromissos eleitorais, os funcionários públicos do Acre tem motivos de sobra para criar um pouco de coragem de se "desapegar" das garras pelegas dos sindicatos e acamparem em frente ao local de trabalho do maquinista Tião Viana para exigir  reposição inflacionária nos salários.

O tradicional e surrado argumento da falta de dinheiro agora virou fumaça.

Simples: se as receitas públicas não comportassem mais despesas com pessoal nosso governador não teria sido tão generoso com os companheiros.Na escolha Tião Viana fez como Matheus, que escolheu primeiro os seus.

E para agravar: com apoio de parte da oposição.

Leia mais aqui.

Por ironia do destino o vocábulo "corrupto" contém na sua formação o encontro consonotal "PT", não por acaso, a sigla do Partido dos Trabalhadores. 
Como uma nódoa de caju em camisa branca, nem o melhor dos detergentes conseguirá remover do PT a mancha profunda de partido político mais ladrão da história política brasileira. 
Equiparado à uma organização criminosa especializada em assaltar os cofres públicos ao PT resta a alternativa de distribuir benefícios popularescos cuja finalidade é mantê-lo com algum apoio popular para evitar o afastamento da presidente Dilma Rousseff e, consequentemente, controlar instituições, para, de igual forma, manter parte da quadrilha livre das grades.
É inevitável. Mais dia, menos dia, outra "ruma" de de petistas graudos verá o sol nascer quadrado.

Apesar da aparente calmaria, o clima na frente popular está tenso, pesado e irrespirável.

A briga por cargos fede a chifre queimado.Deputados que perderam a eleição esqueceram da regra que na política " você vale o que é",  e estão, desesperadamente, correndo atrás do governador Tião Viana, que se nega, inclusive, a recebê-los.

Como "dois corpos não ocupam o mesmo lugar", é inegável também que o orçamento não comporta mais a fúria dos companheiros por cargos e vantagens.

Tecnicamente, as finanças o Acre estão esfarelada, a capacidade de aumento da receita interna esbarrou nos compromissos  inconfessáveis assumidos com meia dúzia de empresários e a vontade de cortar despesas dói na própria carne.

O final da história é aquele que todos já conhecem: os jornais da base aliada e os que se lambuzam nas verbas públicas continuarão alimentando o povo com notícias que o estado é referência em tudo e o Acre de hOje será o mesmo que termos daqui há duas décadas.

A fartura de irregularidades apontadas na farra da distribuição de carteiras de pescadores é tão extensa que os delegados da Federal não precisarão dar nenhuma "muçica" para fisgar no beiço de políticos que se aproveitaram das facilidades para trocá-las por votos.

Para habilitar-se ao recebimento do seguro Defeso, um beneficio em dinheiro pago no período da desova aos verdadeiros trabalhadores que sobrevivem da pesca, gente que nunca segurou numa vara ou nunca pôs uma minhoca n''água foi agraciado com carteiras distribuídas no guiza durante o período eleitoral.

De forma atabalhoada e desesperada, os envolvidos na maracutaia pesqueira tentam atribuir ao senador Sérgio Petecão a culpa pela descoberta das safadezas, como se uma a possível cassação de mandatos não fossem atender aos interesses de suplentes da frente popular.

Tranquilo quanto à acusação, o senador Petecão mandou o seguinte recado aos envolvidos:

- Estão nervosos? Vão pescar.

 

O deputado federal eleito Alan Rick, evangélico convertido, está cometendo um pecado profano ao atribuir ao senador Sergio Petecão a responsabilidade pelas denúncias sobre a " derrama" de carteiras em troca de votos apurada pela Polícia Federal.

Primeiro: o inquérito instaurado na Polícia Federal é muito anterior aos resultados das eleições, quando ainda não se sabia quem seriam os vencedores.

Segundo: caso tenha o mandato cassado por compra de votos, a beneficiada não seria Marfisa Galvão, esposa de Petecão, e sim Moisés Diniz, primeiro suplente da Frente Popular.

Portando, se há algum interessado em "pescar" o mandato de Alan Rick, o caniço que o fisgará é de seus companheiros de chapa.

Fato é que a delegacia da Pesca no Acre operou o milagre da multiplicação das carteiras falsas e a Policia Federal tem depoimentos que deixa muita gente com o anzol fisgado no olho.

Leia mais aqui no AC24HORAS.

Distribuídas no "guiza" com fins eleitoreiros para milhares de pessoas que nunca viram, sequer, um anzol na vida, alguns peixes grandes poderão ser arrastados na malhadeira que a Polícia Federal lançou no rio de irregularidades praticadas pela representação da Secretaria de Pesca no Acre na distribuição de "carteiras de pescadores" para beneficiar candidaturas.

Documento exigido para habilitar os verdadeiros pescadores a uma renda mensal para garantir sua subsistência na época de " defeso", ou seja, no período em a pesca está proibida, espertalhões da política logo enxergaram a possibilidade criminosa de transformar esse importante beneficio numa piracema de carteiras trocadas por votos.

Enquanto os verdadeiros pescadores enfrentam o calvário burocrático para consegui-la, candidatos promoveram o milagre da multiplicação das carteiras.

O caldo do inquérito que tramita na PF é grosso.

A prorrogação do contrato da Cia. de Selva é um evento certeiro calendário da administração petista e uma novidade que os acreanos já estão "carecas" de saber.

Monopolizando a verba da mídia desde os remotos tempos de Orleir Cameli, o governo petista ampliou por mais um ano o contrato que certamente entrará para o livro dos recordes como o contrato mais antigo.
Um fato inusitado acontece com a imprensa golpista do Acre: quanto mais o governo petista enche cofres dela, mais ela definha.

A Cia. de Selva controla a propagada do governo, da prefeitura, do PT, do titio, da titia e de todas família da frente popular.

O governador Tião Viana, de livre e espontânea vontade e no pleno gozo de suas faculdades mentais vontade, declarou ao AC24HORAS que recebeu informações privilegiadas sobre o G7 de um desembargador, segundo Tião, com o bucho cheio de cachaça e com o bafo de vencido, e o nosso querido deputado Moisés Diniz saiu em defesa dele dizendo que está havendo "má interpretação e vingança eleitoral".

Quem sempre achincalhou o poder judiciário foi a frente popular.

Ou, por acaso, já esqueceram da lavagem das escadas?

Petecão pede que Sebastião Viana esclareça o recebimento antecipado de informações da operação G7

O senador Sérgio Petecão (PSD) usará a tribuna do Senado, nesta quarta-feira (5), para pedir que o governador do Acre, Sebastião Viana (PT), esclareça as declarações feitas sobre o acesso privilegiado às informações da operação G7, na qual foram presos 15 empresários e secretários de Estado sob a acusação de desvio de dinheiro público no Estado.

Entrevistado por um jornal online local, o governador afirmou que recebeu em seu gabinete um grupo de desembargadores que teriam concedido a ele informações sigilosas um ano antes da operação ser deflagrada.

O senador Sérgio Petecão afirmou que as declarações do governador Sebastião Viana diminuem a imagem do Poder Judiciário acreano. “Confio plenamente na integridade e ética do nosso Judiciário, por esse motivo acho muito difícil que um desembargador tenha repassado essas informações. Contudo, como a declaração foi feita pelo próprio governador, e agora ele deve apresentar publicamente esses nomes.”

De acordo com Petecão, o governador opera em uma margem muito arriscada ao fazer acusações contra desembargadores e não apresentar nenhum fundamento em suas denuncias. “Não se pode fazer afirmações caluniosas sem apresentar as provas. Atitude como essa serve somente para manchar reputações alheias”.

O senador classificou como desrespeitosa a revelação feita pelo governador na qual ele teria conversado com um desembargador que estaria com hálito de bebida alcoólica durante uma missa. “[...] E eu recebi visita de um desembargador tratando de uma questão [G7] dentro da missa. Não esqueço do bafo de álcool que tava na boca dessa pessoa”, disse Sebastião Viana em entrevista.

Petecão endossou o posicionamento do deputado Major Rocha (PSDB), que disse que “a informação privilegiada é uma conduta criminosa”. Rocha afirmou que o governador colocou os desembargadores do Poder Judiciário, inclusive o presidente da instituição Roberto Barros, sob suspeita.

O posicionamento contundente da vice-presidente da Associação dos Magistrados do Acre, Juíza de Direito, Lilian Deise Braga Paiva, que condenou as declarações do governador, também teve o apoio de Sérgio Petecão.

As investigações da G7 foram conduzidas pela Polícia Federal em caráter sigiloso e qualquer vazamento de informações é completamente ilegal.

Gabinete do Senador Sérgio Petecão

Partido Social Democrático - PSD